Jornal CINFORM, 8 de abril de 2019





SUA VIDA CABE NUM LIVRO?

Por Suyene Correia Santos

Carioca de nascimento, sergipano de coração, o jornalista e escritor André Viana- filho do contista Antônio Carlos Viana-, morando em São Paulo, desde 1997, decidiu investir no mercado editorial, a partir de 2011, depois de acumular experiência como editor e diretor na Trip. Na época, criou a Jerimum Biográfico, atualmente Livros de Família, especializada em publicações produzidas, exclusivamente, para famílias biografadas, com tiragens reduzidas, onde o objetivo maior é proporcionar às novas gerações de uma determinada família, o resgate de valores e a construção de uma memória, a partir do conhecimento de suas origens.

Agora, a Editora Livros de Família, localizada na Vila Madalena, conta com cerca de 30 livros no seu catálogo e parte para uma nova empreitada: a venda de um produto no circuito de livrarias. O primeiro livro vendável será “O Diabo na Casa do Terço” da jornalista mineira Cássia Miguel, com lançamento previsto para o dia 27 de abril, na Livraria da Vila, no bairro paulistano de Vila Madalena. Mas Viana esclarece, logo: “a editora não fica com nenhuma porcentagem sobre a venda. O dinheiro volta inteiramente para a família como uma forma de recuperar o dinheiro investido na produção do livro”.

Aliás, assim como a tiragem de um livro dessa natureza varia muito- já houve cliente que solicitou apenas um exemplar, mas a média é de algumas dezenas- também os preços para a execução de um projeto biográfico variam de R$ 30 a 100 mil (sem os custos da gráfica), a depender da natureza da pesquisa e dos profissionais envolvidos.

Atualmente, ainda são poucas as editoras no Brasil, que se dedicam a essa vertente literária. Com perfil similar à Livros de Família há a Memorabília (RJ) e a Artesão de Memórias (PR). Mas André Viana, que lançou “O Doente” em 2014, pela Cosac Naify e foi finalista do Prêmio São Paulo de Literatura 2015, é otimista não só com o futuro da sua modesta editora, como também com o futuro do livro. Um pouco disso, pode ser conferido na entrevista abaixo, onde Viana também conta como foi aprimorando sua maneira de abordar os biografados, além de revelar algumas curiosidades sobre essas publicações tão singulares.

Qual metodologia você utilizou para escrever “Tchô!”, o primeiro livro da Editora, ligado à família de Zoé Silveira D’Ávila ? Fale um pouco sobre esse processo de encontros, entrevistas e como é editar todo esse material num livro prazeroso de se ler.

De modo geral, até hoje, os livros de família não têm uma metodologia específica. Cada livro é escrito de um jeito. Quem comanda mesmo é o processo de interação com a família. Dificilmente, a família sabe, já de saída, que tipo de livro ela quer. Eu também não sei, até conhecer aquela família mais a fundo. Então, vamos construindo juntos, de acordo com o que vai aparecendo. É um processo inteiramente orgânico. É por isso que não existe um livro igual ao outro, nem mesmo o projeto gráfico. Nesse sentido, a Livros de Família é uma editora artesanal, que traz como resultado uma pequena joia lapidada especificamente para aquela família.

No caso de Tchô!, feito em 2010/2011, eu cheguei apenas com minha experiência como jornalista. Achava que tinha que seguir os manuais de biografias e escrever o livro na terceira pessoa. Precisei escrever quatro versões do primeiro capítulo até entender que Zoé queria, ele mesmo, contar a própria história. Quando reverti o que havia escrito para a primeira pessoa, Zoé leu e disse: “É isso!”. Ali entendi que não adiantava chegar com fórmulas. Que era preciso sentir o terreno antes de começar a caminhar.

E é assim até hoje. Zoé já estava com 90 anos, então nossas conversas não duravam mais do que meia hora. Estabelecemos dois encontros semanais. E assim fomos durante um ano inteiro. As lembranças da infância estavam todas intactas, mas a certa altura, vi que muitas histórias da fase adulta precisavam ser completadas com a ajuda de amigos, conhecidos e parentes. Viajei até uma cidade de Santa Catarina onde ele fez fama como médico e empresário e passei uma semana entrevistando algumas pessoas. Depois incorporei as informações coletadas à voz do Zoé, o que faz do livro Tchô! um mosaico de memórias alheias escrito na primeira pessoa.

Ainda que existam poucas editoras especializadas nessas histórias familiares no Brasil, a procura vem crescendo nos últimos anos ? E o interesse dos leitores também?

A procura vem crescendo à medida que a Livros de Família se torna conhecida, no boca a boca. Uma pessoa conta para outra, que conta para outra, que me procura e depois conta para uma terceira e, por aí, vai. Embora eu não soubesse que existia esse nicho editorial quando criei a editora, há outras pessoas fazendo a mesma coisa. Recentemente, saiu uma reportagem em O Globo falando sobre essas “biografias afetivas”, termo que eu não conhecia e que adorei. Ali, você tem um apanhado abrangente sobre esse nicho. Sobre a tiragem, cada família escolhe a sua. Já teve família que imprimiu um exemplar só e já teve outra que imprimiu 500 exemplares.

A novidade do momento é o lançamento do primeiro livro de família que estará à venda. Chama “O Diabo na Casa do Terço” da jornalista Cássia Miguel Baldauf. Ela reescreveu histórias que desde pequena ouvia o pai contar sobre personagens reais que passaram pela venda da família, em Guaranésia, no interior mineiro. É um livro muito saboroso, com histórias que vão interessar e divertir um público maior do que os parentes. Propus a Cássia que o livro fosse vendido. Ela topou e o lançamento será agora, no dia 27 de abril, na Livraria da Vila, na Vila Madalena.

Como você avalia esse nicho dentro do mercado editorial no Brasil de hoje ? E no exterior, esse mercado tem demanda?

De forma muito simples, até porque nunca fiz nenhuma pesquisa a esse respeito, é um nicho que vem aparecendo de forma tímida e gradual. Digo isso pelas reportagens da Livros de Família que têm saído a esse respeito. Não faço a mínima ideia de como é esse mercado no exterior. O que sei, é que livrarias e bibliotecas na Espanha e nos Estados Unidos já me procuraram querendo exemplares desses livros de família.

Quando você é contratado para esmiuçar a vida familiar de alguém, conta com auxilio de historiadores ? Ou você mergulha fundo, solitariamente, na pesquisa, tendo que contextualizar essas histórias com fatos históricos ?

Geralmente, quem pesquisa sou eu ou o escritor/jornalista que contrato para cuidar de determinado livro. Para mim, na verdade, é a fase mais divertida do processo: ler sobre História do Brasil e do mundo pra poder contextualizar as histórias da vida privada. Teve um livro em especial, sobre uma fazenda aqui do Vale do Paraíba, que me levou a ler sobre história do Brasil durante nove meses para só, então, começar a pesquisa do livro propriamente dita. Eu sabia que entraria em contato com informações que demandariam uma base histórica para entender o contexto. Para a concepção desse livro, contratei uma historiadora/paleógrafa que me ajudou a ler documentos do século 17/18 que estavam guardados no arquivo histórico de Taubaté. Descobrimos preciosidades que mais tarde seriam importantes até para historiadores da USP que estudam as rotas bandeirantes. Fora essa experiência, no mais das vezes mergulho sozinho nas pesquisas. É um bom jeito de seguir aprendendo.

Como se dá a participação dos contratantes na hora de editar o livro? Eles deixam você a vontade para colocar o que quiser ou interferem no que vai ser publicado ?

A combinação inicial com as famílias biografadas é de que não haverá tema-tabu durante a fase de entrevistas. Tudo será abordado, as lembranças boas e as ruins. Com isso, esses livros não deixam de ser um processo psicanalítico para todos. Muitos temas e situações e mágoas que haviam sido jogadas para debaixo do tapete são revolvidas com a ajuda de alguém de fora (no caso, o autor ou autora do livro). Isso feito, eu processo tudo e tento contar tudo da maneira mais cuidadosa possível. O que acontece bastante em qualquer família, incluindo a minha e a sua, é que uma história pode ter mais de uma versão — e aprendi que todas são verdadeiras, afinal de contas, é a versão que aquela pessoa ouviu, guardou e transmitiu. Não é raro eu ter que entrar num acordo coletivo para definir que versão vai ser escrita. Suicídio na família, por exemplo, é um tema que não é raro aparecer. Como abordar — ou se deve abordar — eu sempre deixo a cargo da família. No fim, a história é dela, não minha. Talvez seja isso que diferencie as biografias de família das biografias comuns, já respondendo sua pergunta. Por ser uma encomenda, acordos devem ser firmados —nem para que a família se sinta exposta e nem para que eu me transforme num biógrafo chapa branca, que só vai publicar o trigo e deixar o joio de fora. Mas eu sei que mesmo um Ruy Castro, com toda a sua autonomia, qualidade e prestígio como biógrafo, toma cuidado com certos assuntos na hora de escrever. Nada é tabu. Só depende do jeito que se coloca. Isso é algo inerente ao profissional, independentemente, se o trabalho é uma encomenda ou não.

Das histórias que você já escreveu, qual a que mais te emocionou e porquê?

Não posso falar o nome da família, mas enquanto fazia as entrevistas para um livro, apareceu uma mágoa profunda de uma filha em relação ao pai. Era uma mágoa que persistia por mais de 40 anos. O episódio tinha acontecido quando ela tinha 7 anos e determinaria uma distância silenciosa entre eles ao longo da vida, e a família inteira precisou se encaixar nesse esquema. Quando ouvi o relato emocionado dela, achei o episódio tocante e resolvi começar o livro por ele. O texto mexeu com a família inteira porque era uma ferida exposta. Quem não sabia ficou sabendo, quem sabia precisou enfrentar fantasmas enterrados. Pai conversou com filha, filha conversou com mãe, todos choraram, se perdoaram e fizeram as pazes. Fiquei feliz com o desfecho: não só do livro como da nova relação da família. Agora, já com alguma experiência, posso dizer que não é incomum esse tipo de transformação na família depois de ver sua própria história refletida num livro.

Algum sergipano já te procurou para esse trabalho ? E se ainda não, teria alguma personalidade daqui que gostaria de biografar a trajetória familiar?

Já, mas as negociações não foram adiante. Era para contar a história de um grande empresário. Uma família sergipana que eu gostaria muito de biografar é a Mangueira Viana.

Hoje, você vive, exclusivamente, de sua editora ?

Sim, hoje vivo exclusivamente da minha editora. A Livros de Família está entrando em outra fase agora que é a de livros vendidos em livraria. Até então, os livros eram feitos apenas para consumo interno. Mas chegou em minhas mãos o livro escrito pela Cássia Miguel e achei que ali, tinha algo que podia interessar mais gente. Propus a ela vender “O Diabo na Casa do Terço” e ela topou. A editora não fica com nenhuma porcentagem sobre a venda. O dinheiro volta inteiramente para a família como uma forma de recuperar o que foi investido na produção do livro. Tem um próximo passo que eu quero dar, mas ainda não sei como, que é fazer livros para famílias que não têm dinheiro para pagar pela produção, mas gostariam de ver suas histórias espalhadas por aí. Recebi dois originais recentemente, um do Pará e outro da Bahia. O primeiro é o relato de uma senhora que passou muitos anos num hospital de hanseníase. O segundo é o relato de uma senhora que trabalhou a vida inteira como boia-fria e escreveu sua história de vida a lápis, num caderno. A filha transcreveu e me mandou. São dois pequenos tesouros que eu gostaria de oferecer aos leitores. Pode ser através de patrocínio de alguém ou uma empresa. Pode ser um livro digital. Não sei ainda.

Na sua opinião, qual o futuro da editoras brasileiras, tendo em vista a realidade econômica do país, atualmente ?

Sobre o futuro das editoras, meu palpite, que não vale nada, é que as grandes corporações vão cada vez mais dar lugar a pequenas casas editoriais produzindo livros artesanais, lindos e de tiragem baixa. Pelo menos no Brasil, que é o um país onde se lê pouco ou quase nada. Na verdade, é isso o que já está acontecendo. Em resumo, o livro não vai morrer, as editoras não vão acabar. Tudo muda para continuar igual. É nisso que acredito. Mas é só um palpite otimista esse.

link: https://entrenoticias.com.br/sua-vida-cabe-num-livro/









André Viana é jornalista e idealizador da Livros de Família, editora especializada em biografias familiares. A seguir, ele recomenda 5 obras sobre o tema

Felizes ou não, trágicas, divertidas, politicamente incorretas ou apenas entediantes, as famílias são cada uma à sua maneira. Mas todas têm seu valor na construção de quem nos tornamos. Listei abaixo cinco histórias de famílias pra tia Carmela nenhuma botar defeito.

___
Léxico familiar
Natalia Ginzburg (Companhia das Letras, tradução de Homero Freitas de Andrade)

A advertência, no texto de apresentação, é bem clara: "Neste livro, lugares, fatos e pessoas são reais. Não inventei nada". Publicado em 1963, quando Natalia Ginzburg tinha 47 anos, Léxico familiarreconstrói, a partir das lembranças de uma das principais autoras italianas do século XX, o cotidiano dos Levi, uma família burguesa de poucos recursos que tinha duas questões incontornáveis aos olhos regime de Mussolini: era judia e socialista. Com maestria, Ginzburg nos faz olhar pelo buraco da fechadura de sua intimidade doméstica pra revelar a tragédia de uma sociedade violentada pelo fascismo. Um livro sobre afeto e política, em tudo o que essas duas palavras têm de similar e de contraditório.
___
A cena interior
Marcel Cohen (Editora 34, tradução de Samuel Titan Jr.)

Na manhã de 14 de agosto de 1943, o pequeno Marcel saiu com sua babá Annette para um passeio perto de casa, em Paris. Na volta, a zeladora do prédio os impediu de subir: os nazistas estavam naquele exato momento prendendo seus pais. Marcel Cohen tinha 5 anos e meio e viu, da calçada oposta da rua, toda a família subir no caminhão para ser deportada. Neste livro tão pungente quanto breve, o escritor judeu de origem turca reuniu tudo o que lembrava e tudo o que conseguiu pesquisar sobre os oito membros de sua família  — pais, irmã, avós paternos, tios e uma tia-avó — mortos em Auschwitz. Fatos, gestos, objetos vão saltando das linhas como se Cohen passasse uma lupa sobre fotos antigas, nos revelando detalhes cheios de significados de uma família que poderia ter sido e não foi.
___
O tempo e o vento
Erico Verissimo

Daqueles livros monumentais que definem a vida em antes e depois. Difícil não atravessar as mais de 4 mil páginas dessa saga familiar gaúcha sem criar algum tipo de parentesco afetivo com personagens como Ana Terra e Pedro Missioneiro, Bibiana e um certo capitão Rodrigo, Luzia e Bolívar, Alice e Licurgo, Rodrigo e Flora. Erico Verissimo levou 13 anos para escrever as três partes — O Continente (1949),O Retrato (1951) e O Arquipélago (1962) — dessa obra-prima que conta a história de sete gerações dos Terra Cambará, tendo como pano de fundo os conflitos que levaram à formação política e social do Rio Grande do Sul. Uma providencial árvore genealógica nos conduz mão na mão por essa aventura literária inesquecível.
___
Laços
Domenico Starnone (Todavia, tradução de Maurício Santana Dias)

O amor é só "um recipiente no qual enfiamos tudo", diz a certa altura Vanda, personagem desse pequeno e contundente romance. Publicado originalmente em 2014, Laços é o primeiro livro do escritor italiano lançado no Brasil. A tradução literal do título — Lacci — é cadarços, que surgem na trama como um elemento a amarrar a pequena família composta por Aldo, Vanda e seus dois filhos, Sandro e Anna. Construído a partir de três pontos de vista, a maior parte do livro é narrada por Aldo, que relembra a época em que abandonou mulher e filhos para viver com Lidia, bem mais jovem que Vanda. Em suas breves páginas, Starnone nos presenteia com uma bela reflexão sobre casamento, pais e filhos, mágoas e amor, não necessariamente nesta ordem.
___
Lavoura arcaica
Raduan Nassar

"Só através da família é que cada um em casa há de aumentar sua existência, é se entregando a ela que cada um em casa há de sossegar os próprios problemas, é preservando sua união que cada um em casa há de fruir as mais sublimes recompensas." Difícil pensar em literatura de família e não lembrar dos sermões proferidos à mesa pelo pai desse pequeno livro sublime lançado em 1975 e imediatamente alçado à categoria de clássico. No centro da trama está André, que abandona sua casa para fugir de um amor incestuoso pela irmã, Ana. Nesse livro lírico, vertiginoso e cheio de simbolismos, descobrimos que a paixão, segundo Raduan Nassar, também é feita de tabus e totens familiares. NEXO JORNAL, 16 de março de 2019

link: https://www.nexojornal.com.br/estante/favoritos/2019/5-livros-de-hist%C3%B3rias-de-fam%C3%ADlias-%E2%80%94-tristes-e-felizes









Jornal O ESTADO DE S. PAULO, 3 de março de 2019

Estante da memória

Resgate de histórias de famílias mobiliza editoras e o resultado vai além do livro 

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

André, 10 anos, sabia que a avó tinha nascido na Romênia e vivido um tempo em Israel antes de chegar ao Brasil um pouco mais nova que ele, com 9, em 1953 – e não muito mais do que isso. No livro que ele tem em mãos e mostra orgulhoso na foto abaixo, e que preenche algumas lacunas da história familiar, ele lê a dedicatória: “Você é uma das razões para esse livro existir”.

Foi por causa de André e dos outros cinco netos (de seus dois filhos) que Eveline Alperowitch decidiu abrir os arquivos de seu pai, guardados desde 1989, quando ele morreu, e remexer em suas lembranças. O resultado pôde ser lido pela família e alguns poucos amigos em Drora, escrito com a ajuda da jornalista Ana Tanis e publicado com uma tiragem de 100 exemplares.

“Eu achei bem impressionante que um parente meu tenha participado de uma guerra tão grande. Fiquei curioso para saber mais sobre a Primeira Guerra, perguntei para os meus pais, pesquisei na internet, procurei livros na biblioteca. Vai ser muito legal quando eu tiver uma aula inteira sobre isso. No final, vou poder falar para a professora que meu bisavô estava lá”, conta André, o leitor mais entusiasmado do livro da avó, que mora nos Estados Unidos.

“Era isso que eu queria: uma possibilidade de continuidade, de conhecimento, de mostrar que teve uma história antes deles”, diz Eveline. Uma história que ela mesma foi conhecendo mais profundamente à medida que mergulhava em documentos, cartas, diários e que transformou o livro também num tributo a seu pai, um sobrevivente de duas guerras e uma prisão que foi se fechando ao longo da vida e com quem ela pouco conversou. “Conversa foi uma coisa que nunca existiu com meu pai, e se a gente tivesse podido conversar minha vida teria sido outra, e nem com os meus filhos”, conta.

A publicação dessa obra trouxe, assim, outros ganhos para esta família – para além do registro de fatos e datas, que foi a ideia inicial. “Aprendi a conhecer a minha mãe. Todas as características de personalidade dela são consequências do período que ela narrou no livro. E acabei me conhecendo melhor através dos olhos dela e de suas memórias – algo que não aconteceria se não fosse por um livro como esse. Mais do que os fatos, o que ficou foram essas explicações de quem somos nós”, avalia Fernando Alperowitch, 44 anos, filho mais novo de Eveline e pai de André.

“Um pai que eu não tive, uma filha que meu pai não teve, filhos que eu não tive, netos… todos se conectaram por causa desse livro. Nós nos apresentamos, quatro gerações de uma família que está mais próxima hoje”, diz Eveline, psicanalista, para quem o processo de feitura da obra não foi fácil. “Se não fosse pela Ana e por sua presença eu não iria me aventurar sozinha. Eu me perguntava: por que não pudemos ver isso antes, em vida? Descobrir em documentos o que ele sofreu… Não é fácil, mas é bom. Está ok agora, mais confortável para existir.”

Drora foi produzido e publicado pela Livros de Família, editora criada pelo jornalista André Viana em 2011 e que lançou cerca de 30 títulos sobre personagens e famílias diversas – resultado de horas e horas de entrevista, edição de texto, pesquisa histórica e de imagem, montagem de árvore genealógica, etc.

Tudo começou quando ele foi indicado por um amigo para uma pessoa que queria registrar as histórias que seu pai, então com 90 anos, contava nos almoços de domingo. Foi um mergulho de quase um ano e meio na família de Zoé Silveira D’Ávila. “Gostei da brincadeira. Achei que era um jeito de juntar as duas coisas que eu fazia: o jornalismo e a literatura (ele é autor de O Doente, publicado pela Cosac Naify). E tudo foi acontecendo no boca a boca”, contra André Viana.

O editor explica que a primeira conversa fica sempre na superfície da história. “À medida que vamos mergulhando nos assuntos e vou percebendo onde estão os nós, e aí entra a experiência de ouvinte do jornalista, toco em temas e a poeira começa a ser remexida. As pessoas se veem obrigadas, e até aliviadas, de poder falar sobre aquilo.” 

Inevitavelmente tem choro nas conversas, diz. E muitos dos projetos resultam não só no livro, mas num novo começo para aquela família. Como na história de Eveline e de outras que tiveram sua trajetória registrada.

Há outras editoras especializadas nesse tipo de publicação, como a Artesão de Memórias, de Curitiba, e a Memorabilia, do Rio. É um negócio economicamente viável e que passa ao largo da atual crise do mercado editorial tradicional. Os valores variam. Os projetos mais simples custam, na Livros de Família, entre R$ 30 mil e R$ 40 mil, fora os custos de impressão (que depende da tiragem). Os mais trabalhosos podem chegar a R$ 100 mil, também sem a gráfica, que é mais ou menos o preço de um livro empresarial, explica André.

Biografias de empresas e empresários também estão na mira do editor, que se prepara para experimentar o modelo de venda com um de seus títulos: O Diabo na Casa do Terço, com histórias que a jornalista Cássia Miguel Baldauf ouvia do pai, Jorge Miguel, em sua venda, na cidade mineira de Guaranésia.

E por que vender? “Vivemos muito globalizados, estimulados demais por problemas externos, informados demais. Um olhar e um registro de vivências, valorizando a simplicidade, a densidade próxima de todo dia pode sim ser literatura. O editor André Viana enxergou isso e me convenceu de que o livro poderia interessar a quem não conheceu meu pai, nossa venda, as personagens, a cidade”, explica Cássia. 

Investigar as raízes, conhecer o passado para entender o presente. Perpetuar as histórias. Lidar com a angústia de que essas histórias possam ir embora com as pessoas. Não esquecer. Deixar um legado para as próximas gerações. É possível fazer isso tudo profissionalmente ou de forma caseira. 

Foram lançados recentemente, pela Sextante, dois livros da holandesa Elma van Vliet: Mãe, Me Conta a Sua HIstória? e Vó, Me Conta a Sua HIstória? Livro é modo de dizer. Eles são, na verdade, cadernos de perguntas que propõem um diálogo mais íntimo entre as famílias.

Quando sua mãe ficou muito doente, ela percebeu que não sabia muita coisa sobre ela. “São momentos como esse, quando recebemos uma má notícia ou temos um bebê, que nos damos conta do que realmente importa”, diz a autora ao Estado. Ela então criou essas perguntas, sua mãe respondeu e segue firme e forte, e uma nova relação se estabeleceu. “Com o livro, começamos uma conversa totalmente diferente. Eu me toquei de que ela também tinha sido uma criança, com suas esperanças e sonhos. Há coisas que não sabemos como nem quando perguntar, e uma conversa dessa não se encaixa no nosso dia a dia. Além disso, nesse mundo e tempo em que vivemos esquecemos como passar adiante as histórias de nossa família. E é tão importante que a gente as tenha”, comenta. 

Um amigo sugeriu que ela publicasse suas perguntas em livro. E então uma menina escreveu para ela dizendo que era tudo muito legal, mas que sua mãe não tinha sido uma boa mãe – e que o pai era seu herói. Assim começou sua série que conta hoje com 40 livros e jogos para famílias e 4 milhões de unidades vendidas. Para Elma, a demanda e o sucesso de obras como essas vêm da nossa necessidade de nos conectarmos com as pessoas que são mais importantes em nossa vida.

Memória e ficção. Uma das principais escritoras brasileiras (embora filha de italianos nascida na Eritreia), Marina Colasanti é adepta dos diários (“eventuários”, em suas palavras), já escreveu um livro de memórias, Minha Guerra Alheia, sobre seus primeiros anos e sobre como é ser criança na guerra, e trabalha num segundo volume centrado em Gabriella Besanzoni Lage, Henrique Lage e na casa que ele construiu para ela e onde Marina morou por vários anos, o Parque Lage (que aparece ainda em Eu Sozinha, seu livro de estreia relançado agora).

Para ela, escrita é memória. “Nem sempre de fatos, mas sempre de vivências, cheiros, olhares, sentimentos, sons que acumulamos ao longo da vida e aos quais fazemos recurso na hora de escrever”, afirma. “O registro da memória é importantíssimo. Para a construção da história. Para que o passado, sobre o qual se apoia o presente, não desapareça. Para melhor entender o presente. Para mais amplo conhecimento do percurso de uma família, de uma sociedade, de uma cultura.”

link: https://cultura.estadao.com.br/noticias/literatura,resgate-de-historias-de-familias-mobiliza-editoras-e-o-resultado-vai-alem-do-livro,70002741378








Revista HEBRAICA, setembro de 2018

Histórias para famílias

O jornalista André Viana deixou o dia a dia do jornalismo para ser editor e fundou a JB, isto é, Jerimum Biográfico, cujos lançamentos não vão para as livrarias, mas ficam ao restrito círculo das famílias e dos amigos delas. A ideia é imortalizar as histórias de famílias em livro, e a editora faz de tudo: entrevista familiares, se for o caso pesquisa jornais e revistas, viaja (se necessário), procura iconografia, edita etc., e depois entrega a tiragem total para quem o encomendou. André transformou a saga de uma família italiana a partir de 1870 em um cartapácio de 5 volumes e fio condutor da história da imigração italiana para o Brasil desde a segunda metade do século 19. Outro, a pedido de conhecida família paulistana, virou um único exemplar guardado como uma espécie de relíquia. “É que eles queriam um trabalho muito discreto”, explica o editor. Mais recentemente concluíram um livro a respeito da família de Eveline Alperowitch, de origem romena, durante a Segunda Guerra Mundial. (Bernardo Lerer)




Jornal O GLOBO, 25 de agosto de 2018

Biografias por encomenda transformam anônimos em protagonistas

'Best sellers' familiares movimentam mercado

Bolívar Torres e Paula Autran





link: https://oglobo.globo.com/cultura/biografias-por-encomenda-transformam-anonimos-em-protagonistas-23009108









Revista PEQUENAS EMPRESAS GRANDES NEGÓCIOS, agosto de 2018

O contador de histórias

Registrar em livros as memórias de uma família é a especialidade da Jerimum Biográfico, empresa criada pelo escritor André Viana

Por Mônica Kato 

Quem não tem um pai, um avô ou uma tia animada que adora contar "causos" durante os almoços de família? Foi para resgatar histórias da vida privada que o jornalista e escritor carioca André Viana, 43 anos, criou a Jerimum Biográfico, focada em biografias de família. Os volumes lançados pela JB não vão parar nas prateleiras das livrarias — em vez disso, são feitos sob encomenda e compartilhados apenas entre parentes próximos.

A ideia surgiu em 2011, quando Viana, autor do livro O Doente (Cosac Naify), foi convidado a escrever a biografia de um empresário gaúcho, à época com 90 anos. "A família me pediu para reunir as histórias que o patriarca contava nos almoços de domingo, para passar aos netos e bisnetos", diz. Foram meses de entrevista, que resultaram no primeiro livro nesse formato. "Percebi que tinha adorado fazer o trabalho. A partir dali, não parei mais."

O tempo dedicado a cada livro varia de acordo com a complexidade da história e o volume de entrevistas. "Um projeto pode levar de quatro meses a dois anos", diz o autor. A encomenda mais complexa que já recebeu foi uma série de cinco volumes retratando diferentes gerações de uma família italiana — foram mais de 50 entrevistados. O valor também oscila — pode custar de R$ 10 mil (para editar um material já escrito por alguém da família) a R$ 100 mil ou mais. O trabalho, em geral, consiste em pesquisa, inclusive a iconográfica (fotos, documentos, cartas), entrevistas, texto, projeto gráfico e acompanhamento da impressão. O orçamento gráfico é cobrado à parte.

No momento, Viana tem quatro livros em andamento. A divulgação não é simples, uma vez que a maioria dos contratantes pede discrição — muitos clientes vêm do boca a boca, ou do site do escritor. "Não tenho grandes ambições. Quero apenas produzir mais livros, em um espaço físico maior, e trabalhar com gente legal. E, com o tempo, quero tornar os projetos multimídia", afirma.









JORNAL DA CIDADE, Sergipe, janeiro de 2016

Jerimum Biográfico apresenta histórias de famílias

Já imaginou a história da sua família ocupando páginas e páginas de um livro, num registro em capítulos, cuja narrativa pode ser inspirada em grandes sucessos da literatura brasileira ou no jeito próprio de querer contar a própria estória? Essa foi a sacada do jornalista André Viana que — filho do escritor sergipano Antônio Carlos Viana — tem o domínio da palavra escrita, a sensibilidade de ouvir o outro e passar para o papel uma história de família, deu cria à Jerimum Biográfico, uma editora de publicações não comerciais para guardar a história familiar, seja num cofre ou estante particular.

Atraído pelos perfis e histórias de vida quando da atividade jornalística desempenhada desde 1997, André Viana encontrou numa oportunidade que bateu à sua porta a concretização de um negócio, dos bons. “Em 2011, eu havia acabado de pedir demissão da editora Trip, onde trabalhava desde 2004, quando uma amiga do fundador da Trip, Paulo Lima, pediu a ele a indicação de um jornalista para escrever a história do pai dela, um empresário gaúcho do ramo alimentício. Paulo Lima indicou meu nome. A ideia da família não era um livro para ser comercializado. Os filhos queriam reunir as lembranças do pai, então com 90 anos, para que as futuras gerações da família conhecessem a história do patriarca. O livro ficou pronto em meados de 2012 e teve 150 exemplares impressos. Tanto o processo como o resultado final deixaram todos (eu incluído!) muito felizes. Percebi que havia aí um nicho de mercado a ser explorado: livros de família por encomenda. Foi quando resolvi tentar fazer disso um caminho profissional”, conta.

E está dando certo. Hoje, a Jerimum Biográfico conta com 11 publicações e duas em processo de construção, tendo cada uma a sua peculiaridade, fazendo o jornalista escritor mergulhar na vida dos personagens, sem invasões entre o dito e o não dito. “Cada família é única a seu modo, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença. Como eu também sou uma peça no tabuleiro da minha própria família, eu me identifico muito com as entrelinhas que existem em toda relação familiar. O não dito é tão importante quanto o dito. Tento colher histórias procurando sempre tomar cuidado para não me tornar um invasor da intimidade alheia. Esse talvez seja o maior desafio do meu trabalho”, afirmou o jornalista.

Sobre o processo de construção de cada história, André Viana explica que o tempo dedicado a cada livro depende muito do desejo e objetivo de quem encomenda o livro de família, sendo necessário, muitas das vezes, percorrer o país, e contar com o apoio de familiares para resgate de lembranças, seja em depoimentos ou registros fotográficos. “Cada livro exige, em média, de seis meses a um ano de trabalho. Tudo depende, obviamente, do tamanho projeto e, sobretudo, do tamanho da família. "De uma forma ou de outra, eu participo de todas as fases do processo: da captação de informações (entrevistas, pesquisas) à redação final. Não é raro eu viajar para entrevistar parentes que vivem em outros estados. Agora mesmo estou fazendo o livro de uma família tradicional de Salvador. Isso tem me levado à capital baiana nos últimos meses. Em relação às fotografias, oriento os membros da família a vasculharem seus álbuns e caixas em busca de fotos que consideram importantes para o livro. Num segundo momento, fazemos juntos uma edição das imagens mais interessantes, do ponto de vista não apenas narrativo, mas estético”, destacou.

Na confecção dos livros de família por encomenda, André Viana busca inspirações nas narrativas de cada publicação e demonstra empolgação de sobra para se alimentar de toda a informação necessária à construção de capítulos. “A diferença entre um perfil jornalístico e um livro de família está na extensão do texto e na consequente possibilidade de aprofundar certos temas. Isso é muito motivador. Quando inicio o processo de um livro, nunca sei como será o texto. A narrativa vai sendo construída na minha cabeça à medida que vou entrando em contato com a história e seus personagens. O fato de não serem livros comercializados — não se submetendo, portanto, às normas do mercado editorial — tem me proporcionado uma grande liberdade de explorar formas narrativas. Já escrevi livro, por exemplo, em que a voz narrativa segue a linha de Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis: a matriarca da família já morta é quem conta a história. Antes de começar a escrever, obviamente, submeto minha ideia à aprovação da família. Outros livros são verdadeiros romances à Gabriel Garcia Marquez, com uma infinidade de personagens e histórias. Até aqui tem dado certo”, contou.
E na experiência de ouvir e contar histórias familiares, o escritor revela curiosidades que agora fazem parte do seu trabalho. “São muitas, A todo instante. Destaco três: uma é a saga de imigração italiana em cinco volumes. Compus uma espécie de mini O Tempo e o Vento, que começa em 1870 e vai até os dias de hoje. Foram quase 100 entrevistados, muitas viagens, muita pesquisa. Um trabalho gratificante que levei um ano e meio para concluir. Outra curiosidade foi um livro de exemplar único que fiz para uma família poderosa de São Paulo. Eles queriam um trabalho tão discreto que imprimiram apenas uma cópia, guardada hoje num cofre. O terceiro destaque foi um livro sobre uma fazenda histórica do Vale do Paraíba paulista que escrevi agora em 2015. Precisei passar oito meses apenas lendo livros de História do Brasil para só então, devidamente abastecido com algum conhecimento histórico, começar a pesquisa sobre os proprietários da fazenda de 1650 até hoje”, disse.










Revista THE PRESIDENT, dezembro de 2015

Livros de família 

Pequenas tiragens, público restrito e resgate de tradições familiares. Assim o jornalista e escritor André Viana define as atividades da editora Jerimum Biográfico. "Em 2011, fui convidado pelo médico gaúcho Zoé Silveira d'Ávila, ex-presidente da Sadia, com 90 anos, para fazer um registro da sua história de vida", conta. O resultado foi o livroTchô. A editora lançou outras dez obras e cada uma delas levou de seis meses a um ano para ser concluída. "Já produzi um exemplar único sobre um empresário brasileiro. Como Gay Talese fez naquele famoso perfil de Frank Sinatra, entrevistei parentes e amigos sem que o biografado soubesse da minha existência", revela. Segundo Viana, o livro, encomendado pelas filhas, foi entregue ao empresário no dia de seu aniversário. A mistura de jornalismo com literatura acertou em cheio no alvo: ajudar grandes famílias a resgatar o seu passado."








PODER, Joyce Pascowitch, julho de 2015

LOMBADA

Imortalizar as histórias familiares em formato de romance. Essa é a proposta da Jerimum Biográfico, minieditora voltada apenas para atender a famílias. Desde 2011, quando foi fundada, já foram 11 publicações. Entre os que já procuraram os serviços da JB estão milionários, publicitário e outros empresários de destaque do país.


Mark